Dermatite da área das Fraldas - COI

Dermatite da área das Fraldas

Dermatite da área das fraldas é expressão genérica abrangendo um conjunto de dermatoses inflamatórias que atingem a área do corpo coberta pela fralda – a região composta por períneo, região glútea, abdômen inferior e coxas. Como não é diagnóstico específico, incluem-se na dermatite da área das fraldas, as erupções causadas diretamente pelo uso da fralda, como dermatite irritativa primária da área das e a dermatite de contato alérgica ao material plástico da fralda (muito rara); as dermatites exacerbadas devido ao uso da fralda (como psoríase, eczema atópico, dermatite seborréica, miliária, candidose, dermatite de contato alérgica); e aquelas que ocorrem nessa localização, mas que não se relacionam com seu uso (acrodermatiteenteropática, histiocitose de células de Langerhans, granuloma glúteo infantil, dermatite estreptocócica perianal, impetigo bolhoso, escabiose, sífilis congênita, Aids).

Imagem Dermatite da área das Fraldas

A dermatite da área da fralda irritativa primária é a dermatite da área da fralda mais prevalente, sendo provavelmente a afecção cutânea mais freqüente na primeira infância, constituindo fonte significativa de desconforto para a criança. Diante disso, é importante que se conheça a etiologia e a fisiopatologia da doença para que se possa fazer correta prevenção e tratamento apropriado. O uso da fralda ocasiona aumento da temperatura e da umidade locais. Há conseqüente maceração da pele, que se torna mais susceptível à irritação ocasionada pelo contato prolongado da urina e das fezes com a pele da região coberta pelas fraldas. Freqüentemente surge infecção secundária por Candida ou por bactérias. O uso de pós, óleos, sabões e pomadas irritantes também agravam o quadro clínico. A melhor conduta é a prevenção. Para isso, engloba-se um conjunto de medidas cujos principais objetivos são manter essa área seca, limitar a mistura e dispersão da urina e das fezes, reduzir seu contato com a pele, evitar irritação e maceração, preservar a função de barreira cutânea e manter, sempre que possível, o pH ácido. O tratamento apropriado começa com o correto diagnóstico da causa de base. Além disso, consiste em medidas simples, ajustadas de acordo com a severidade e o tipo de dermatite. O acompanhamento das crianças com dermatite da área das fraldas deve ser regular, e atenção especial necessita ser dispensada nos períodos diarréicos ou de uso de antibiótico sistêmico.

Ilustração Dermatite da área das Fraldas

Referência Bibliográfica:

  1. FERNANDES, J.D; MACHADO, M.C.R; OLIVEIRA, Z.N.P. Fisiopatologia da dermatite da área das fraldas – Parte I. An. Bras. Dermatol. 2008;83(6): 567-71. http://dx.doi.org/10.1590/S0365-05962008000600012
  2. FERNANDES, J.D; MACHADO, M.C.R; OLIVEIRA, Z.N.P. Quadro clínico e tratamento da dermatite da área das fraldas – Parte II. An. Bras. Dermatol. 2009;84(1):47-54.