ClaCs - COI

ClaCs

A técnica ClaCs, minimamente invasiva, normalmente é feita em consultório. Consiste na combinação do laser transdérmico com a escleroterapia convencional, guiado por aparelho de realidade aumentada, o qual projeta na pele a imagem digitalizada das veias.

Imagem ClaCs

Primeiramente são efetuados disparos do laser ao longo de todo o trajeto venoso. Em seguida, a veia em questão é puncionada e submetida à injeção de glicose hipertônica. A ação combinada do laser com o esclerosante traz melhores resultados do que cada método isoladamente.

Atualmente existem no mercado aparelhos de Laser com comprimento de onda mais específicos para tratamento de vasos, de forma a proteger a pele por onde passa o feixe de luz. A luz emitida atravessa a pele em direção ao sangue, onde será absorvida. O dano térmico gera colapso da veia (parcial ou total), o que determinará lentificação do fluxo de sangue naquele segmento. Como consequência, ao injetar o esclerosante seu efeito será mais prolongado e, por conseguinte, os resultados serão melhores. Outro benefício desta técnica é que a quantidade de esclerosante necessária para o tratamento é bem menor.

O procedimento costuma ser bem tolerado pelos pacientes (mínima dor). O uso concomitante de aparelho que sopra ar gelado na pele (air cooling) promove diminuição expressiva da dor e desconforto durante as sessões. É uma das técnicas mais modernas e com melhores resultados para o tratamento de varizes finas (até 3 mm de diâmetro) e vasinhos (telangiectasias). Devido a sua natureza minimamente invasiva, permite ao paciente manter a sua rotina de estudos e trabalho, sem a necessidade de se ausentar das suas atividades habituais, inclusive exercícios físicos.