Hérnia Inguinal - COI

Hérnia inguinal

As hérnias (origem Latim: ruptura) da parede abdominal representam um grupo comum de doenças em nosso meio. Ocorrem pela protrusão (saída) de uma víscera ou órgão através de um defeito (abertura) na parede abdominal. Podem surgir em diferentes locais, como na região do umbigo (hérnia umbilical), em cicatrizes de cirurgias anteriores (hérnia incisional) ou na região inguinal (hérnia inguinal). Acometem indivíduos de qualquer faixa etária, de recém-nascidos a idosos, embora sejam mais comuns nos extremos de idade. Ocorrem mais em homens do que em mulheres e estão associadas a determinados problemas de saúde, como doenças da próstata, do pulmão, do coração, do fígado, constipação intestinal e tabagismo.

Imagem Hérnia inguinal

As hérnias inguinais acometem principalmente homens, mas também são vistas com frequência em pacientes do sexo feminino. Pacientes com hérnias na região inguinal geralmente se apresentam com um abaulamento (caroço) próximo à virilha, que aumenta com a realização de esforço físico e diminui com o repouso, especialmente quando deitado. É comum também o relato de dor na região. O abaulamento local que não diminui, associado a dor intensa e vômitos pode representar o aprisionamento (encarceramento) do intestino no interior da hérnia e requer a imediata avaliação por um especialista para tratamento cirúrgico, sob o risco de ocorrer estrangulamento e necrose do segmento intestinal, com graves consequências para a saúde do paciente. Nesta situação, um cirurgião habituado ao tratamento de hérnias deve ser consultado rapidamente.

Importante esclarecer que o tratamento das hérnias da região inguinal sempre será cirúrgico. Não há nenhuma modalidade de tratamento clínico ou fisioterápico que possa fazer desaparecer uma hérnia já formada. Assim, pacientes portadores de hérnias inguinais devem ser submetidos a uma avaliação por um médico cirurgião para verificar a necessidade de cirurgia, que irá variar de um caso para outro.