Dor de cabeça e pressão alta - COI

Dor de Cabeça e Pressão Alta

“Doutor, estou com a pressão alta, pois estou sentindo minha cabeça e minha nuca doer.”

Muitas pessoas me procuram, em meu consultório, com queixas de dor de cabeça e dor na nuca, colocando a pressão como causadora do problema. Tal associação, eventualmente, ocorre sim, entretanto, somente quando os níveis pressóricos estão muito altos; geralmente acima de 180 mmHg de pressão arterial sistólica (PAS) ou 110 mmHg de diastólica (PAD) - maior que 18 por 10.

Imagem Dor de cabeça e pressão alta Boa parte das dores de cabeça e nucalgia são causadas por tensão muscular e contração involuntária da musculatura da face, nuca e do couro cabeludo. Quando estamos ansiosos ou não tivemos uma boa noite de sono ou muito estressados, temos a tendência a ficar com a musculatura contraída, os ombros elevados (principalmente o músculo trapézio), resultando na cefaleia tensional.

Quando estamos com dor de cabeça, assim como qualquer outra dor no corpo, existe uma tendência forte em haver elevação da pressão. Sempre é bom lembrar que, muito frequente, pessoas apresentem-se com pressão arterial de 180, 200 mmHg e não sentirem absolutamente nada. As principais causas de hipertensão são: idiopática (não se descobre a causa - 90%), estresse, tabagismo, obesidade, sedentarismo, alteração hormonal e, principalmente, excesso de sal na alimentação.

O diagnóstico e o acompanhamento da dor de cabeça devem ser feitos por médico especialista na área, principalmente quando recorrente. O tratamento da cefaleia tensional consiste em atividade física, hábitos de vida saudáveis e redução do estresse. Tais medidas também servem para que apresenta hipertensão arterial, assim como a redução de sal na alimentação. Por último, as sociedades de cardiologia perceberam que o menor risco cardiovascular é para as pessoas com a pressão abaixo de 120/80mmHg, para tanto, mudou-se o conceito e classificação de hipertensão arterial sistêmica.

Portanto, a avaliação cardiológica, em qualquer suspeita de hipertensão, é fundamental para evitar problemas cardiovasculares e ter uma vida ainda mais saudável. Recomenda-se avaliação cardiológica, no mínimo anual, para paciente com fatores de risco (hipertensão, diabetes, colesterol aumentado, obesidade, tabagismo) e a cada 2 ou 3 anos para pacientes sem fatores de risco e abaixo de 40 anos.